Trabalho na era digital debateu-se em Mafra

O Presidente da República Portuguesa encerrou o congresso que, de Mafra para o mundo, juntou líderes empresariais para pensar os muitos desafios que se colocam ao trabalho na era digital, conjugando o fator humano com a tecnologia. “Receber V. Exas. pelo 12.º Encontro da COTEC Europa neste Palácio-Convento de Mafra, construído no séc. XVIII para exprimir a unidade entre o universalismo, o espírito europeu, a fé, o saber e a estratégia, simboliza bem o que nos une e o que nos desafia neste tempo de tão elevadas esperanças e tão pesadas angústias”, afirmou o Chefe de Estado.

Sob o tema “WORK 4.0, Rethinking the Human-Technology Alliance”, este encontro contou com as ilustres presenças dos Chefes de Estado de Portugal, Espanha e Itália, respetivamente Marcelo Rebelo de Sousa, Felipe VI (acompanhado pelo Rei Juan Carlos) e Sergio Mattarella. A União Europeia (UE) fez-se representar pelo Comissário Europeu da Investigação, Ciência e Inovação, o português Carlos Moedas.

Na sessão de abertura, o Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, sublinhou que a evolução da digitalização está a trazer fortes mudanças às empresas e alertou que esta revolução pode acentuar as desigualdades na distribuição do rendimento à escala mundial. Não obstante, mostrou-se confiante com a capacidade demonstrada pelo tecido industrial português, que está “a produzir produtos de alta qualidade em tempos curtos e séries curtas”, respondendo positivamente à rapidez exigida pelo mercado.

A primeira mesa redonda contou com a participação dos Diretores-Gerais das COTEC de Portugal, Espanha e Itália, respetivamente Jorge Portugal, Jorge Barrero e Claudio Roveda, sob a moderação John Gapper, editor e comentador do Financial Times, tendo partilhado os desafios comuns às empresas dos três países decorrentes da 4.ª Revolução Industrial.

O segundo painel, moderado pelo jornalista da TVI, Pedro Pinto, juntou o cientista Arlindo Oliveira, o sociólogo Manuel Carvalho da Silva e o humorista Eduardo Madeira, que expuseram diferentes perspetivas sobre o fenómeno “WORK 4.0”, da academia às empresas e aos trabalhadores, passando pelo cidadão comum, que se vê confrontado com o crescente recurso às máquinas na execução das tarefas.

Seguidamente, Pedro Rocha e Melo, José Manuel González-Páramo e Cristiano Camponeschi, apresentaram os casos práticos das suas organizações, respetivamente Brisa – Autoestradas de Portugal, BBVA e Deloitte Consulting, na introdução das novas tecnologias em ambiente de trabalho, concluindo que, pese embora o recurso ao digital, as pessoas são o fator crítico de sucesso.

A encerrar os painéis temáticos, a Secretária de Estado da Indústria, Ana Teresa Lehmann, fez o balanço da implementação da Estratégia para a Indústria 4.0., que reúne 60 medidas de iniciativa pública e privada para a transformação digital da economia portuguesa.

Na segunda parte deste encontro, John Gapper entrevistou o Comissário Europeu da Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas. Referindo-se ao “ritmo vertiginoso” da mudança diária na economia, o representante da UE destacou que 65% das crianças de hoje irão trabalhar em profissões que ainda não existem, pelo que, sendo a diversidade cultural a maior vantagem da Europa, importa adequar os sistemas educativos a esta realidade.

Antes dos discursos de encerramento, a última intervenção esteve a cargo do Presidente da COTEC Portugal, Francisco de Lacerda, organizadora deste evento, apoiado pelo Município de Mafra e pela Escola das Armas/ Exército Português, o qual teve como objetivo “contribuir para uma Europa mas inovadora, mais coesa e mais próspera”.

Na sessão de encerramento, a primeira alocução foi proferida pelo Presidente da República de Itália, Sergio Mattarella. O Chefe de Estado destacou que, no “esplêndido complexo” do Palácio-Convento de Mafra, os três países se confrontam com um desafio comum, que é a inovação ao serviço do progresso, e apelou a uma dialética positiva e colaborativa entre os países-membros da UE.

No “fabuloso Palácio-Convento de Mafra”, o Rei de Espanha, Felipe VI, saudou o firme compromisso dos três países no progresso das comunidades. Ainda que seja verdade que há postos de trabalho que podem ser substituídos por máquinas, o Chefe de Estado sublinhou que “robôs e algoritmos centram-se em tarefas previsíveis que não requerem criatividade”. Assim, sustentou que a educação tem de se centrar naquelas que são as “vantagens competitivas do ser humano”.

A última intervenção na sessão de encerramento foi proferida pelo anfitrião, o Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, que defendeu que a economia 4.0 exige uma UE, sistemas políticos e sistemas sociais igualmente 4.0. Concluiu com uma mensagem de incentivo e de união, dirigida aos empresários que representam milhões de trabalhadores espanhóis, italianos e portugueses.

O encontro terminou com uma sessão de cumprimentos na Sala Elíptica da Escola das Armas, à qual se seguiu um almoço no Refeitório dos Frades. O Presidente da República Italiana, Sergio Mattarella, visitou ainda a Basílica do Palácio Nacional de Mafra, concebida ao estilo barroco italiano.

 

COTEC Europe Summit 2018, Mafra